NÃO CORTES

Não cortes, tesoura, aquela figura,
sozinha na memória que se esvazia,
não faças do seu grande rosto à escuta
a minha névoa de sempre.

Um frio cala… Duro o golpe mutila.
E a acácia ferida sacode
a casca de cigarra
na primeira lama de Novembro.

Eugenio Montale, Itália (1896-1981), tradução de Nuno Dempster

Non ricidere, forbice, quel volto,
solo nella memoria che si sfolla,
non far del grande suo viso in ascolto
la mia nebbia di sempre.

Un freddo cala… Duro il colpo svetta.
E la acacia ferita da sé scrolla
il guscio di cicala
nella prima belletta di novembre.

Eugenio Montale

Anúncios