Não sei se por ti

Não sei se por ti
seria capaz de matar,
espero que não. Amo-te
e não pretendo excluir-me desse amor.

Além disso sinto orgulho
por salvar-te amiúde
de outros perigos: o trânsito,
os fantasmas do meio-dia,
as bebidas light…

Não me peças violência
contra terceiros, amor, que tu e eu
já brigamos quanto baste e
não o fazemos nada mal.

José Ignacio Moreno, Espanha, tradução de Soledade Santos

No sé si por ti
sería capaz de matar,
espero que no. Te amo
y no pienso excluirme de ese amor.

Además, me siento orgulloso
de salvarte a menudo
de otros peligros: el tráfico,
los fantasmas de mediodía,
las bebidas light…

No me pidas violencia
contra terceros, amor, que tú y yo
ya peleamos suficiente y
no lo hacemos nada mal.

José Ignacio Moreno, El Amante Moderno, Granada, 1998

Anúncios

2 comentários a “Não sei se por ti

  1. Pois é, ainda há coisas que me fazem sorrir…esta leitura fê-lo por várias razões. Pelas incertezas admitidas, pela confissão final…mas gostei amiúde do agridoce dos diversos salvamentos. Tinha de ter um título assim! Vou ver do autor que não conheço de todo!

    Gostar

    • É um poema ligeirinho, sim 🙂 Do autor só conheço um livro que comprei em Granada, há uns anos. Mesmo na net, há poucas informações.
      Soledade

      Gostar

Os comentários estão fechados.