Miséria da Poesia

A lenta gestação de uma metáfora
ou mesmo esse tremor que às vezes resta
depois de ter escrito uns quantos versos
abonam uma vida? Sei que não.
Tão-pouco ignoro, embora não me sendo
chave de uma existência, que as palavras
dirão que quem dispôs sua harmonia
soube ordenar um mundo. E isso basta?
Os anos vão passando e sei que não.
Há qualquer coisa grande nesta luta
e de algum modo tenho
a difusa certeza de que existe
un verso que contenha esse segredo
vulgar e abominável numa rosa:
é o rosto da morte a formosura.
Se encontrasse esse verso, bastaria?
Talvez não. A verdade era tanta
quanta para criar um mundo e dar-lhe
uma cor nova à noite, e à lua
um círculo de fogo, e umas pupilas
e uma alma a Galateia, e mais um mar
de neve nos desertos? Sei que não.

Felipe Benítez Reyes, Espanha (n. 1960), traduzido por Nuno Dempster.


Miseria de la Poesía

La lenta concepción de una metáfora
o bien ese temblor que a veces queda
después de haber escrito algunos versos
¿justifican una vida? Sé que no.
Pero tampoco ignoro que, aun no siendo
cifra de una existencia, esas palabras
dirán que quien dispuso su armonía
supo ordenar un mundo. ¿Y eso basta?
Los años van pasando y sé que no.
Hay algo de grandeza en esta lucha
y en cierto modo tengo
la difusa certeza de que existe
un verso que contiene ese secreto
trivial y abominable de la rosa:
la hermosura es el rostro de la muerte.
Si encontrase ese verso, ¿bastaría?
Tal vez no. Su verdad, ¿sería tanta
como para crear un mundo, para darle
color nuevo a la noche y a la luna
un anillo de fuego, y unos ojos
y un alma a Galatea, y unos mares
de nieve a los desiertos? Sé que no.

Felipe Benítez Reyes

Anúncios