Bernardo aos cinco anos

A dor está nos teus olhos tímidos
Na mão infantil que saúda sem graça,
A dor dos dias que hão-de vir
Já pesa sobre os teus ossos frágeis.
Num dia de outono que doba
Quieto as suas linhas de névoa ao sol
O jogo acabou inesperadamente,
Deixou-te sozinho onde a estrada acaba,
Tão esplêndida de folhas caídas
Durante a noite, que a todos aqui
Veio ao pensamento
A estação que se avizinha célere.
Tu saudaste com um aceno débil
E um sorriso pálido, permaneceste
Sombra na sombra um instante, agora corres
A refugiar-te na nossa ânsia.

Attilio Bertolucci, (1911-2001), Itália, tradução de Soledade Santos

null
O poeta Attilio Bertolucci © 1992 Leonardo Cendamo

Continuar a ler

Anúncios