Sobre a Glória

Tinham de lutar até à morte
e muitos a queriam. Incendiaram
templos e bibliotecas e encheram
vales, monturos, praças, de cadáveres.
Buscavam prestígio e obtiveram,
só alguns, honras anónimas
espalhadas aos bocados por museus.

Poeta que persegues recompensas,
desmente se podes que neste lugar,
longe de tertúlias e congressos,
onde vêm os rapazes fumar
e mijar em capitéis e garrafas,
jazem, ignorados, cinco impérios.

Jordi Virallonga, Espanha, 1955, traduzido por Nuno Dempster.

Nota: este poema está igualmente mudado para português na colectânea Quanto Sei de Mim, editada pela Teorema em 2001. Essa versão pode ser lida (e escutada) aqui. A presente tradução foi integralmente feita sem consulta prévia da já existente, sobre o poema original, retirado desta página.

Continuar a ler