Não sei se por ti

Não sei se por ti
seria capaz de matar,
espero que não. Amo-te
e não pretendo excluir-me desse amor.

Além disso sinto orgulho
por salvar-te amiúde
de outros perigos: o trânsito,
os fantasmas do meio-dia,
as bebidas light…

Não me peças violência
contra terceiros, amor, que tu e eu
já brigamos quanto baste e
não o fazemos nada mal.

José Ignacio Moreno, Espanha, tradução de Soledade Santos

Continuar a ler