De passagem

Jeanloup Sieff

Quão ligeiro o mel cansado
da luz crepuscular
se faz noite

e o botão se recolhe
em particular mistério
para vir a ser flor

como se quanto existe
existisse para ser perdido
e tornar-se precioso.

Lisel Mueller, EUA (n. 1924), tradução de Soledade Santos
Continuar a ler

Às vezes quando a luz incide

Mueller_Lisel_1981

Liesel Mueller, 1981

Às vezes, quando a luz incide em ângulos estranhos
e te devolve à infância,

passando por uma mansão em ruínas
toda escondida atrás de velhos salgueiros

ou por um convento vazio guardado por cicutas
e abetos gigantescos perfilados de um lado ao outro,

outra vez descobres que atrás dessas paredes,
sob a indómita cabeleira dos salgueiros,

algo de secreto acontece,
tão maravilhoso e perigoso,

que se rastejasses lá para dentro e o visses,
morrerias, ou serias feliz para sempre.

Lisel Mueller (n. 1924, Alemanha), tradução de Soledade Santos

Continuar a ler