Para Falar da Desgraça Que Há no Casamento

É a geração futura que pressiona o ser através
destes sentimentos exuberantes
e das super-sensíveis bolas de sabão que temos.
Schopenhauer

“A noite quente faz-nos manter abertas as janelas do quarto.
A magnólia floresce. A vida começa a acontecer.
O meu marido, estimulado, larga as discussões de casa,
e vai para as ruas vaguear em busca de prostitutas,
descomprometido, lá fora, ao longo do fio da navalha.
Este excêntrico era capaz de matar a esposa e ficar com o seguro.
Oh a sovinice monótona da sua luxúria…
É a injustiça… ele é tão injusto ―
cego de whisky, chega a casa às cinco, gabando-se.
O meu único pensamento é como manter-me viva.
Que o faz deter-se? Todas as noites agora ato
dez dólares e a chave do carro dele à minha coxa…
Aguilhoado com problemas de erecção,
demora-se em cima de mim como um elefante.”

Robert Lowell, EUA (1917-1977), traduzido por Nuno Dempster para aqui.

Continuar a ler