Poesia Zen de Ryokan

Outro dia que demora a terminar;
o céu envia um frio amargo.
As montanhas cobrem-se de folhas caídas
e não há viajantes que lancem sombras sobre o caminho.
Noite interminável: as folhas secas ardem sem pressa na lareira.
Por momentos o som da chuva gelada.
Abatido, tento evocar o passado…
Mas não há senão sonhos.

 One Robe, One Bowl: The Zen Poetry of Ryokan (1758-1831, Japão), tradução de Soledade Santos a partir da versão em castelhano
—————————————————————————————————–
Continuar a ler

Anúncios