OS MEUS TRISTES CAPITÃES

Um a um aparecem na
escuridão: alguns amigos, e
alguns com nomes
históricos. Que tarde começam a brilhar!
mas antes de se apagarem levantam-se
e encarnam perfeitamente, todo

o passado os envolvendo como um
manto do caos. Eram homens
que, pensei, viveram só para
renovar a força devastadora
gasta em cada convulsão ardente.
Fazem-mo lembrar, agora à distância .

É certo, ainda não descansam,
mas hoje estão de facto
à parte, limpos de fracassos,
retiram-se para uma órbita
e giram com desinteressada
e firme energia, como as estrelas.

Thom Gunn, Inglaterra (1929-2004) tradução de Nuno Dempster

Continuar a ler

Anúncios