Uma senhora de sangue azul resume as suas memórias para a Reader’s Digest

A longa mediocridade dura há tanto tempo.
A minha geração herdou responsabilidades
Além da fina aparência. Se os belos rapazes estivessem vivos
Seriam hoje tão velhos como Henry James era, esse canto
                                                                                       [do cisne
À tarde no Cam – tão velhos como eu sou agora.
As balas estavam guardadas para os jovens – o Somme
Reuniu aqueles a quem nunca esteve destinado
Ficarem juntos, as duas faces de Inglaterra sangraram até à
                                                                                       [igualdade.

As viúvas de Swindon perderam os salários dos maridos,
Mas nós fomos espoliados do nosso direito de nascimento: um
Mundo feudal equipado com atracções modernas. A única
                                                                                       [saída foi
Liderar as modas – bebidas, festas, o palco.
Mantivemos o nosso lugar, ainda que não muito bem –
O tempo e a geografia roubaram-nos uma herança.

Peter Porter (1929-2010), Austrália,
Tradução de Soledade Santos

Continuar a ler

PENSAMENTOS DAS NOVE DA MANHÃ NO AUTOCARRO 73

Reunião com clientes às doze, essa cambada de inúteis
por quem um tipo vai falar aos berros, ter de pedir a Ann
que arranje uma hera nova para o escritório, os palhaços
que eu vi tentar apalpá-la, rico traseiro
aliás. Todo o mundo tenta fornicar o mais que pode.
A fotocopiadora fica corada com a bandalhice dos clientes.

Peter Porter, Austrália (1929-2010), tradução de babel

Ligação: Peter Porter

Continuar a ler