Funeral Blues

Parem todos os relógios, desliguem o telefone,
Impeçam o cão de ladrar, dêem-lhe um bom osso,
Silenciem os pianos e com um tambor em surdina
tragam o caixão, deixem vir as carpideiras.

Deixem os aviões no alto gemer em círculos
riscando no céu a mensagem Ele Morreu,
Façam laços de luto no colo níveo das pombas urbanas,
Deixem os sinaleiros usar luvas negras de algodão.

Ele era o meu Norte, o meu Sul, o meu Leste e Oeste,
A minha semana de trabalho e o meu descanso ao domingo,
O meu meio-dia, a minha meia-noite, a minha fala, a minha
                                                                                               [canção;
Pensei que o amor ia durar para sempre, estava errado.

Não são precisas as estrelas; apaguem-nas todas,
Arrumem a lua e desmontem o sol,
Esvaziem o oceano e varram a floresta;
Pois mais nenhum bem pode vir agora.

W. H. Auden, Inglaterra (1907-1973), traduzido por Nuno Dempster.

Continuar a ler