Ikey sobre o povo de Helya

george-m-brown

George Mackay Brown, por Ian MacInnes

Ao Rognvald, que ronda o castelo com o seu cajado,
não lhe quero bem.
Tem um cão de boca troante e afiada,
e uma porta de madeira muito rija.
Uma vez fiquei preso no arame farpado
(estava a homenagear as galinhas dele, acariciando uma asa)
e ele descarregou o cajado em mim.
Também deve ter saído de uma floresta bem rija.

Mansie de Quay é um homem obsequioso.
Peçam-lhe água que ele dá-vos rum.
Dispo-lhe o espantalho todos os anos em Abril.
Pedimos-lhe uma pouca de palha para nos deitarmos no estábulo
e ele dá-nos dormida debaixo de um edredão branco e leve como o céu.
Nessa altura, só a irascível da mulher dele nos destrói a paz.

Gray, o pescador, já não é problema,
relatou-me as leis da vagabundagem
numa voz escorregadia como as algas debaixo do cemitério.
Eu equipei-lhe o barco com sete maldições.
Ocasionalmente, para dar ânimo,
ainda ponho a faca nas redes dele.

Embora tenha campos de turfa negra e uma colina amarela
e cinquenta cabeças de gado mimoso,
não me aproximo da Merran nem dos seus gatos,
prefiro partir uma côdea de pão em cima de uma lápide.
A tataravó dela foi queimada como bruxa em Gallowsha.

Os mil coelhos de Hollandshay
não deixam crescer o trigo de Simpson,
o que motiva muita crueldade, fumo e disparos.
Esta noite acendi um pequeno lume.
Manchei a minha faca de vermelho.
Descasquei um nabo redondo
e rezei ao Senhor
para que conserve os outros novecentos e noventa e nove inocentes.

Finalmente em Folsfcroft vive Jeems,
alfaiate e cangalheiro, viajante de limites,
uma mesma faixa para os vivos e os mortos.
No Inverno aplica uma agulha aos meus andrajos
e, durante os meus torpores, guarda
as sete tábuas brancas
que recuperei de um naufrágio dinamarquês, certo inverno.

George Mackay Brown (1921 –1996) Escócia, tradução de Soledade Santos Continuar a ler